quinta-feira, 30 de abril de 2009

"O Amor é o fogo que arde sem se ver, é ferida que DÓI e não se sente..." *

A maioria das pessoas fala do amor como um sentimento belíssimo, uma experiência única. Um sentimento grandioso, inexplicável,...
E, quando esse mesmo sentimento sofre uma mutação? E, quando ele passa a ser obsessão, submissão, dependência?
Em que momento nós falhamos? Qual foi o "sim ou o não" errado que proferimos, e que nos tornou prisioneiros desse "estado de euforia"?
Por que delegar a outra pessoa a função de fazer você feliz?
Por que confiar a outra pessoa o DIREITO de ser feliz?
Por que será que alguns de nós, seres humanos, somos incapazes de ser feliz sem a necessidade de nos submeter aos caprichos e vontades de um outro alguém?
* Monte Castelo. Legião Urbana

segunda-feira, 20 de abril de 2009

Gratidão

Estou em casa novamente, mas antes eu não estava? kkkk
Sempre estarei em casa. Aqui ou em Sobradinho.
Queria então agradecer...
Pelo carinho e pelo cuidado.
Pelo café, pela tapioca, bolo de milho...
Pela cama arrumada, pela preocupação se me alimentava bem.
Obrigada pelo amor, pelas conversas nas calçadas, na área de casa, no sofá...
Pelos filmes que assistimos juntos, pela sessão retro (ô povinho feio, hein! kkk) pelos conselhos e pela sabedoria da vida que compartilharam comigo.
Obrigada pela confiança, por toda paciência e pela força nos momentos que tanto precisei.
Obrigada por me querer sempre por perto mesmo quando minha companhia se tornava chata. kkk.
Obrigada. Muito obrigada mesmo pelas conversas sobre tudo e sobre nada. Sobre Deus , amor, família, fórmula 1, sobre novelas e relacionamentos...
Obrigada, Família.
A gente se ama não é?

quarta-feira, 15 de abril de 2009

"Longe da casa há mais de uma semana..."


Pois é. Estou aqui, mas dividida.
Nasci aqui. Cresci aqui, ou melhor, envelheci aqui. kkkk.
É sempre bom voltar. Mesmo sentindo falta dos que ficaram.
Meu sábio tio, perguntou: Por que temos essa enorme necessidade de nos relacionar? O que acontece que desejamos perto quem amamos? Queremos saber de suas vidas, suas conquistas, suas tristezas...
Por que ansiamos tanto pela visita de alguém? Um alguém que vem passa alguns dias, inunda nossa vida de novidades, altera nossa rotina e depois se vai. Sei lá. Ser humano é mesmo estranho. Ansioso. Misterioso. Egoísta e altruísta simultaneamente.
Eu sei que mesmo partindo e sentindo saudades daqueles que ficam, mesmo com os olhos marejados de lágrimas, um nó na garganta e um aperto imenso no peito, mesmo com raiva da separação e da distância, eu não desejaria viver de outra forma.
Eu não desejo viver de outra maneira que não esta.
Adoro cada carinho que eles têm por mim, cada mimo, cada atenção. A preocupação se estou me divertindo, dormindo bem, me alimentando bem - esta última então, kkk. Como em todas as casas que vou, janto no mínimo três vezes quando estou em Sobradinho. kkkk -. Adoro o interesse pela minha vida e pelos meus planos e, ultimamente, pelo meu Amor. A bem da verdade, eles sempre se interessaram como estava o meu pequenino coração e agora que ele está pleno, eles querem saber se tudo está mesmo indo bem. Falam que eu mereço. Que mereço ser feliz. Mereço viver bem...
Amo a minha família. Amo muito mesmo. Sinto falta de conviver todos os dias. Contar as novidades, visitar cada dia uma casa diferente... Nunca sei onde é minha casa mesmo. Se estou aqui, sinto falta dos que lá ficaram, mas quando eu for sentirei falta dos que aqui deixarei.
Nêssa deve saber bem do que estou falando, certo, prima? Espero que possamos sempre valorizar essses sentimentos, essas relações, pois só me fazem bem. Um bem enorme. Imensurável. Inexplicável. Indescritível.

"Está chegando a hora, é hora de partir, me dá um dor no peito ter de ir embora..."

quarta-feira, 1 de abril de 2009

'Os Seres Humanos me assombram' *



Acordei cedo e uma música se repetia na minha cabeça. Algum dia de Capital Inicial. Durante o dia inteiro fiquei cantarolando a música com minha voz de "taquara rachada", um talento nato. rsrs. Pois é. Uma parte especificamente não saia da minha cabeça: "É fácil fazer parte de um mundo tão pequeno onde amigos invisíveis nunca ligam outra vez, talvez, até porque ninguém ligue pra você..."

Ninguém liga pra gente? Ninguém tem amigos de verdade? Será que isto é mesmo verdade?

Eis que, no final do dia um grande amigo veio aqui em casa. Gosto muito dele. Um bom homem. Pai de família. Íntegro. Temente a Deus. Um Ser nobre, sabe? Aqueles raros que ainda acreditam na boa fé das pessoas, no que elas têm de melhor. Ele se esforça mesmo para entender os amigos e participar da vida de cada um deles. Se por acaso, você atravessar o caminho do meu querido amigo, fique certo de uma coisa: quando ele te perguntar se você está bem, ele quer mesmo saber se você está bem e se não for afirmativa a resposta, ele vai dedicar uns minutinhos do seu atribulado tempo só pra ouvi-lo (a).

Conversamos um pouco e, ele que sempre me ajudou, me aconselhou e me ouviu, hoje me agradeceu por retribuir-lhe o tempo dedicado, por conversar, por ouvi-lo. Agradeceu-me de uma maneira tão simples, verdadeira e singela. Disse que nessas horas conseguimos verdadeiramente separar nossos amigos daqueles que apenas nos dão tapinhas nas costas e desejam sorte e força.

Fiquei me sentindo estranha. Sei lá. Ele é sim, meu Amigo. Mas, quantos outros amigos ele têm? Ou eu tenho?

Lembrei imediatamente da música e percebi que a letra pode até ser profunda, bonita, mas para mim não serve, não se aplica a minha vida, é falsa. Recordei imediatamente de outra canção de Dinho (Capital Inicial) : Não olhe pra trás.

Isso mesmo. O título já é bem sugestivo. A letra é bem direta e objetiva. Gosto em especial desses dois trechos:

"...Nem tudo é como você quer / Nem tudo pode ser perfeito
Pode ser fácil se você / Ver o mundo de outro jeito...
...Como sempre estou / Mais do seu lado que você
Siga em frente em linha reta E não procure o que perder..."

Assim. Simples. São os amigos - tendo ou não laços sanguíneos - que estão 'verdadeiramente' mais ao nosso lado do que nós mesmos. Percebi que sempre têm um dos meus que creem mais em mim do que eu mesma.

Estou certa ou errada, Mãe,Val, Nêssa, Nelinha, Day, Meu Amigo, e agora Josué?
Vocês sempre estão à minha frente. Abrindo passagem. Quebrando grilhões e correntes. Deus faz isso em minha vida através de vocês.“Irei eu caminhando à tua frente, montanhas aplanarei, arrombarei portões de bronze e arrebentarei trancas de ferro. Isaías 45:2".
Há algum tempo, esse meu amigo me disse isso. Leu esta passagem bíblica pra mim. Hoje, devolvo-lhe as mesmas palavras sábias e verdadeiras.

Humanos. Sim, os seres humanos.


P.S. Desculpem-me pela longa postagem.
* A menina que roubava livros. Última frase de sua narradora.