sexta-feira, 31 de julho de 2009

Aquele sobre Cora Coralina

"Não sei... Se a vida é curta
Ou longa demais pra nós,
Mas sei que nada do que vivemos

Tem sentido, se não tocamos o coração das pessoas.
Muitas vezes basta ser:
Colo que acolhe,
Braço que envolve,
Palavra que conforta,
Silêncio que respeita,
Alegria que contagia,
Lágrima que corre,
Olhar que acaricia,
Desejo que sacia,
Amor que promove.
E isso não é coisa de outro mundo,
É o que dá sentido à vida.
É o que faz com que ela
Não seja nem curta,
Nem longa demais,
Mas que seja intensa,
Verdadeira, pura... Enquanto durar"

terça-feira, 28 de julho de 2009

Aquele em que os anos passaram enquanto eu dormia*




Estou assim.
Segunda-feira e eu não queria me levantar da cama.
Esperei o dia acabar, mas...
Hoje. Terça-feira.
O dia inteiro com aquela sensação de que perdi alguma coisa.
Uma festa. Um amigo. O emprego. O ânimo.
Talvez a razão. Talvez o o gosto pelas coisas.
Certamente apenas o ânimo.
Graças a Deus todos estão comigo. Família, amigos, namorado e o emprego.
Ah! o emprego. Cheguei a um ponto. Final?
Sonhei muito.
Fiz inúmeros planos e projetos. Raul, o Seixas, diria que foram planos de papel.
Concordo com ele.
Há quem diga que é apenas uma crise tepeêmica. Estou confiante nisso, embora descrente.
O que eu fiz todos esses anos?
É com esta sensação que ainda estou.
Ela me persegue. Não quer sair daqui.
Sei lá.
Amanhã...

*Não vou me adaptar [Titãs]

segunda-feira, 20 de julho de 2009

Aquele Do Dia do Amigo


Não sei escrever bem.
Leio muito. Grandes autores, renomados e desconhecidos.
Leio desde bula de remédio a clássicos nacionais ou literatura estrangeira.
Mas não sei escrever. Ponto final.
Então estou aqui para agradecer-lhes.
Agradecer a cada um dos meus queridos Amigos.
Aqueles que me ensinam coisas boas e coisas bobas.
Aqueles que me chamam de Daninha, baixinha, pingo de gente e por ai vai.
Aqueles que trazem café pra mim embaixo de uma chuva torrencial durante uma aula na faculdade.
Aqueles que me convidam para uma festa, me pegam em casa, pagam a minha parte da conta e ainda me levam em segurança de volta a minha humilde residência.
Aqueles que sempre lembram do meu aniversário mesmo que só liguem dias depois.
Aos que fazem tortas e salgados deliciosos e vão lá em casa só pra eu provar.
Também tem os que me ouvem reclamar de minhas bobagens e riem de minhas piadas sem graça.
Aos amigos de sangue e aos de coração.
Aos novos e aos velhos amigos.
Parodeando Vanessa, outra vez, amigo não é uma questão de tempo e sim de compreensão.
Aqueles sem os quais meus dias não teriam a menor graça, o menor brilho e cor.
Obrigada, gente!
obrigada mesmo.

sexta-feira, 10 de julho de 2009

Aquele do aniversário na Data certa

Então é hoje.
Você também é um daqueles Mestres mencionado anteriormente.
Com você aprendi que o meu mundo pode ser mais tranquilo e firme.
Um mundo em que eu dito as regras, mas sem precisar magoar ninguém.
Um mundo que eu possa conquistar sem me desfazer de ninguém pelo caminho.
Ensinou-me a confiar no meus instintos e no meu coração.
Sempre ler as bobagens que eu escrevo e cura minhas 'pseudo-crises-existenciais' (rsrsrs).
Ensinou-me a não absorver tantas coisas e ainda assim não ser indiferente aos outros,
Disse-me para não me cobrar tanto. Reforça a ideia de que sou determinada, forte, ...
Elogia meu bom-humor mesmo em situaçãoes adversas, chamou-o de 'louvável',
Deu-me livre acesso para 'incomodá-la' quando precisasse e está sempre aqui.
Foi veemente ao dizer: "Você tem que ser o que vc quiser. Não queira fazer tudo diferente ou tudo igual. Queira fazer tudo do seu jeito, do seu modo, a la Daninha..."
Ensinou-me que mesmo quando a situação é ruim, devo me levantar, "me arrumar" e me sentir linda.
Mostrou-me ainda que devemos separar nossos sonhos em duas categorias: real e abstrato e nos agarrar aos dois igualmente, lutar pelo primeiro e se deliciar com o segundo.
Val, você me ensina todo dia alguma coisa. Sempre que converso com você ou leio alguma coisa que você escreveu.
Admiro suas conquistas e sua postura, não é segredo.
Admiro a filha, irmã, neta, prima e esposa que você é. A mãe que você aprendeu a ser.
Mas apesar disso eu admiro a mulher que você é.

Parabéns, minha prima!
Obrigada, Val!

P.S. Ceça não se zangue por favor. Não publiquei a sua na data porque não deu mesmo, tá?
A gente se ama, né?

segunda-feira, 6 de julho de 2009

Aquele 24 de junho...

A data passou, mas o sentimento continua aqui.

Desculpe-me, deveria ter dito no dia certo, 24 de junho.

Não há justificativa, eu sei, portanto não vou investir muito tempo aqui, há coisas mais importantes para serem ditas.

Sou muito menina, boba e com pouca experiência de vida, mas sempre tive uma sede de aprendizado incomum e tenho sorte, muita sorte.

Pois tenho ao meu lado pessoas grandiosas, seres humanos notáveis, excelentes mestres.

Você é um desses Mestres, me ensinou que a vida é pra ser vivida hoje, como diz o poeta, ‘Vida foi feita pra estar em dia, com a fome’.

Também me mostrou que tristeza pode sim ser dividida, que as lágrimas não precisam escorrer sozinhas.

Ensinou-me a rir das bobagens, a não levar a vida tão a sério, a ter um senso de humor refinado, leve.

Demonstra e defende com verdadeira paixão a família e a importância de estarmos sempre em contato e de nos amarmos.

Deixou claro várias vezes que “homens casados, que falam errado ou tem dentes podres são impróprios para casar”, lembra? Kkkkkkkk

Saía de manhã para trabalhar e sempre nos surpreendia com bilhetes de carinho e dicas como, por exemplo, dar comida ao cachorro, levar ‘sei lá quem’ ao balé e pegar ‘ fulano’ na aula de piano,...

Fazia umas brincadeiras horrorosas com comida que eu não aprovava, mas me deliciava vendo você divertir e perturbar os outros.

Cultivava entre nós brincadeiras antigas, joguinhos de palavras ou cartas estimulando-nos a dizermos o que sentíamos.

Disse-me uma vez que a única pessoa que ficaria conosco para sempre seríamos ‘nós mesmos’, talvez só neste instante tenha se equivocado. Porque você é uma pessoa que ficará com “os seus” para sempre.

Amo-te, Vanessa.

Obrigada, Ceça, minha prima, minha amiga.